Reunião de controle alinha cinco principais pontos das obras do Complexo Ponte Grande

As obras de saneamento do condomínio até a avenida Castelo Branco devem reiniciar na próxima semana. Todas as providências administrativas, jurídicas e técnicas já estão concluídas

Integrantes de secretarias municipais e de empresas comprometidas com as obras do Complexo Ponte Grande se reuniram na manhã desta quinta-feira (20 de setembro) para serem delineadas as próximas decisões sobre o andamento dos serviços. Os cinco pontos de pendências foram discutidos: iniciativas do ponto de vista administrativo para que fossem repostas as condições financeiras da construtora STC Engenharia, que se encontrava em situação de defasagem de pagamentos, o que deve ser acelerado daqui em diante; revisão do contrato da reprogramação inicial para um contrato de novo valor, que será assinado ainda nesta quinta-feira (20), de acordo com o departamento de Contratos e Licitações; nos últimos 60 dias foi alcançada uma reativação expressiva nos trabalhos de desapropriação (prova é o fato de que na semana passada – quinta, na visita técnica em trecho, acompanhada pelo procurador-geral da República, Nazareno Jorgealém Wolff, foram identificadas demolições de residências e áreas liberadas para o seguimento das obras, lembrando que as famílias foram para o aluguel social, após para o condomínio residencial do bairro Várzea (200 moradias) e há casos de indenizações); termo administrativo a ser elaborado, relacionado a peças complementares e trabalhos de uso de gerador elétrico de emergência e de esgotamento de água que estavam com pagamentos pendentes por serem trabalhos feitos em 2017 e, por fim, juntar todas as pessoas engajadas e reiniciar uma reativação iniciada na Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Caça e Tiro, feita na semana passada com uma vistoria, baseada em explicações da ETE no terceiro módulo. O Ministério Público Federal (MPF) irá fiscalizar a obra a cada 45, 60 dias, e emitir relatório.

Em caixa estão R$ 10 milhões referentes a serviços a serem executados. O projeto Complexo Ponte Grande como um todo possui em torno de R$ 27 milhões, valores originais de 2011, a serem aplicados. No total são R$ 57 milhões, dos quais já foram gastos R$ 20 milhões. Os recursos são provenientes do Ministério das Cidades e liberados gradualmente pela Caixa Econômica Federal (CEF), mediante medições. Nos R$ 82 milhões do Governo Federal estão incluídos os complexos Ponte Grande e Araucária e a revisão do Plano Municipal de Saneamento Básico. “Com tempo bom, pagamentos feitos em dia e máquinas funcionando no canteiro, os serviços devem seguir normalmente. As reuniões servem para isto, sistematizar resoluções e minimizar impasses”, opina o prefeito Antonio Ceron, no encontro.

O que está sendo feito agora

Todo o projeto de saneamento básico está sendo executado, envolvendo desde a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Caça e Tiro até a avenida 31 de Março, no bairro Guarujá (onde residem cerca de 35 mil pessoas), ponto prioritário para que possam ser conectados a este emissário todos os 26 loteamentos já implantados e em fase de instituição na região do Guarujá. Na continuidade será licitada a parte da malha viária, por etapas, correspondendo à drenagem, terraplanagem e pavimentação asfáltica. O Complexo Ponte Grande terá, em seu total, em torno de seis quilômetros de vias pavimentadas, dotados de passeios públicos (calçadas) e ciclovias.

Diferentemente do que foi no passado, que era um projeto de contratação única, nesta oportunidade serão lançados três processos licitatórios, dividindo o trecho em três partes. Em relação à primeira parte, o projeto já está completo e elaborado, sendo o acesso ao conjunto habitacional Ponte Grande, na rua Marechal Olímpio da Cunha, Várzea, até a avenida Marechal Castelo Branco. O segundo trecho, sobre o qual a equipe já está trabalhando, consiste da avenida Castelo Branco até a avenida Presidente Vargas, e na sequência será trabalhada toda a parte do projeto que engloba a via completa entre a Presidente Vargas e a BR-282. “A diferença do que importa a todos neste momento é de que a primeira e segunda etapas serão executadas as obras do projeto Ponte Grande que estão do lado direito do fluxo das águas. O lado esquerdo, onde está implantado o condomínio residencial, ficará para uma fase futura, mas do trecho da Presidente Vargas até à 282 será executada a via dos dois lados, de acordo com o projeto original, porque é o início de nós fazermos o principal acesso para Lages no Ponte Grande”, detalha tecnicamente o engenheiro civil da L’Art, Ivonir Martinelli. O projeto passou por adaptações e imprevistos no meio do caminho são comuns, como as atividades de substituição de solos moles e sobre a presença de rocha e água em determinados pontos.

O que já está pronto

Quem passar pelas áreas de abrangência do Complexo Ponte Grande poderá avistar obras concluídas, como o trecho que abarca a conexão pavimentada do conjunto de casas à ligação aos asfaltos existentes na avenida Antônio Ribeiro dos Santos, no Várzea. De saneamento, está pronta a ligação entre o as casas à ETE Caça e Tiro. A etapa de obras de saneamento do condomínio até a Castelo Branco deve reiniciar na próxima semana. Todas as providências administrativas, jurídicas e técnicas já estão concluídas.

Conjunto

O Complexo é composto pela construção e urbanização da avenida com duas pistas duplas, corredor de ônibus, alargamento e desassoreamento do rio com suas margens transformadas em pistas de caminhada e ciclovia. A avenida interligará 13 bairros – Várzea, Popular, Caravágio, São Miguel, Penha, Jardim Panorâmico, Dom Daniel, Guarujá, Bates, Vila Mariza, Ferrovia, Caça e Tiro e São Sebastião, desde a avenida 31 de Março, no Guarujá, até a rua Cirilo Vieira Ramos, no bairro Caça e Tiro.

Principal acesso

O prefeito Antonio Ceron esteve presente no encontro. O vice-prefeito, Juliano Polese coordena a equipe administrativamente, da qual participaram as secretarias de Planejamento e Obras, Municipal de Águas e Saneamento (Semasa) e da Administração e Fazenda, Defesa Civil, Procuradoria Geral do Município, as gerenciadoras L’Art Arquitetura e Engenharia e Greide Engenharia, e a empresa executora das obras, STC Engenharia. Este deverá ser o principal, acesso à cidade a partir da rodovia. “As reuniões de acompanhamento acontecerão a cada 14 dias, ou seja, de forma periódica e frequente, e a ideia é aproximarmos os profissionais afins às obras e afinarmos as informações, alinhando as decisões, tomar nota do andamento das tarefas e agilizar as operações. A população precisa saber o que está ocorrendo naquelas áreas e inteirar-se deste benefício primoroso que irá modificar substancialmente a mobilidade urbana”, sintetiza o vice-prefeito, Juliano Polese, acrescentando, ainda, que, “os recursos financeiros, por força de lei, têm prazo para serem aplicados em favor do município, e não precisarem ser devolvidos ao Governo Federal. O Complexo Ponte Grande é uma obra de impacto na saúde pública, locomoção urbana, em que o alto fluxo será aliviado da Duque de Caxias, criação de um novo anel viário, revitalização daquela área, e maior visibilidade”.

Fotos: Marcelo Pakinha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *